FecharX

Precisando se organizar em 2021? Especialista dá dicas de saúde financeira

Estratégias simples, como “pechinchar”, escolher a melhor forma de pagamento e aderir a programas de fidelidade, podem salvar seu orçamento pessoal



Créditos da imagem: Divulgação Ecobonuz
Main cred. divulga%c3%a7%c3%a3o ecobonuz
Redação
28/01 às 17:23
Atualizado em 28/01 às 17:23

Todo início de ano é a mesma coisa. Além das contas habituais, chegam os impostos, compra de material escolar, parcelamentos remanescentes de compras anteriores e outras despesas que pesam o orçamento das famílias. Após um ano em que a maior parte dos brasileiros teve sua renda impactada de alguma forma, seja por demissões, suspensão do contrato de trabalho ou queda no consumo de produtos e serviços, a organização e o planejamento financeiro se tornaram a principal meta para 2021. E é preciso começar agora!

Coloque os gastos no papel

A consultora de finanças pessoais Bethânia Pires acredita que o primeiro grande passo para ter controle financeiro é saber a direção que o seu dinheiro está tomando. “É preciso parar e colocar na ponta do lápis todos os seus gastos e confrontá-los com o que você ganha. Passando a entender os seus hábitos de consumo ficará mais fácil saber onde podemos economizar. Você pode fazer essa organização no papel, em uma planilha financeira ou com o apoio de aplicativos especializados. E, sempre que necessário, buscar ajuda especializada, pois o profissional terá maior clareza para identificar as falhas e deficiências do orçamento e canalizar os seus recursos para os seus objetivos”, orienta.

Faça a famosa pechincha antes de comprar

Em seguida, é preciso apostar na mudança de alguns comportamentos. “Pesquise sempre antes de comprar: há uma variação grande de preços entre um estabelecimento e outro. Valorize o suor do próprio rosto e não tenha vergonha de pedir descontos, de forma tranquila e educada. Mantenha o foco na hora das compras: racionalizar e registrar é uma forma de controle muito assertiva para segurar os impulsos de consumo e não gastar com o que não estava planejado; e, se for fazer uma compra pontual, “esqueça” o cartão de crédito em casa e leve apenas o dinheiro necessário para o item, assim você diminui o risco de sair do orçamento”, detalha Bethânia.

Entre em programas de fidelidade

Por fim, outra dica de ouro da consultora de finanças é aderir a programas de fidelidade, atrelados aos seus hábitos de compra. “Esses programas não exigem investimento financeiro e bonificam atividades e o consumo que você já teria. Ou seja, você só tem a ganhar. Mas, é importante pensar estrategicamente e, ao invés de participar de todos os programas que existem, se concentrar em poucos e bons, de acordo com a sua frequência de utilização, seu objetivo e as pontuações necessárias para o resgate”, explica Bethânia, destacando que existem diversos programas do tipo no país e que podem facilmente ser integrados à rotina das famílias, desde os mais tradicionais de companhias aéreas e cartões de crédito, até os de supermercados e transporte coletivo.

Comentários