FecharX

BH amplia oferta de serviço destinado ao armazenamento remoto de bens

Yellow Self Storage oferece solução para o mundo moderno com modelo de negócio inspirado nos EUA e Europa


Créditos da imagem: Alexandre Rocha
Main destaque cr%c3%a9ditos alexandre rocha alta  20
Redação
08/07 às 11:00
Atualizado em 08/07 às 11:00

Tudo mudou de lugar com a chegada da pandemia causada pela Covid-19. Em poucos dias, a sala virou home office, o ponto comercial teve que ser entregue e o escritório foi obrigado a fechar. Com isso, a falta de espaço veio como mais um entrave no combate ao difícil momento vivido pela sociedade. Os móveis, que cederam lugar à bancada de trabalho, os equipamentos, que outrora equiparam a loja, e todos os gadgets que montavam o escritório, agora precisam ser acomodados em algum lugar.


Embora no Brasil a utilização dos espaços de auto armazenamento não alcance os ótimos números registrados nos Estados Unidos e na Europa, por exemplo, essa atividade vem se desenvolvendo de maneira significativa por aqui. “Está crescendo, mas muitas pessoas ainda desconhecem a possibilidade de estenderem o espaço de casa, ou do próprio negócio, utilizando os recursos de uma self storage”, revela Fellipe Vianna, um dos sócios da Yellow Self Storage, empresa destinada ao armazenamento remoto de objetos e inaugurada em BH na última semana. De acordo com ele, outro tabu enfrentado pelo setor é relativo aos custos do serviço. “Ao contrário do que muitos possam imaginar o gasto mensal para a utilização desses espaços é muito acessível. Temos boxes disponíveis a partir de R$ 99 mensais”, ressalta.


Novinha em folha, a self storage fundada por Fellipe e seu sócio, Igor Oliveira, chegou oferecendo diferenciais inovadores para o setor. Além de cumprir sua principal finalidade, disponibilizar espaço para o armazenamento de objetos, a Yellow decidiu ampliar a comodidade de seus clientes com a criação de um espaço coworking. “Equipamos esse ambiente com estações de trabalho, wi-fi de alta velocidade, ar condicionado e um cafezinho como cortesia”, brinca Fellipe. Visando intensificar essa multifuncionalidade, foi elaborada ainda uma parceria com os clientes que atuam com o sistema e-commerce, permitindo a eles gerenciarem suas entregas utilizando a empresa como um galpão de estoque, sem a necessidade de comparecerem ao local para despachar seus produtos. “Tudo acontece via sistema interno, com segurança e praticidade”, explica.


Segurança, inclusive, foi uma das preocupações dos sócios na construção do empreendimento. Lidar com bens e pertences de terceiros exigiu, além de cuidado, investimento pesado em um sistema capaz de resguardar toda a sua estrutura. Com a instalação de equipamentos de última geração, incluindo um sistema de atuação redundante, onde o funcionamento dos aparelhos é mantido mesmo em caso de falhas ou tentativas de violação, a estrutura da Yellow foi transformada em uma verdadeira fortaleza. “Contratamos três empresas de consultoria em segurança. Não medimos esforços para que nossos clientes tivessem tranquilidade e segurança ao armazenarem seus pertences conosco”, conta Fellipe. Segundo ele, cada usuário possui uma senha de acesso individual para ingressar na empresa e os boxes são trancados com cadeados únicos, de posse exclusiva do locador.


Em pleno funcionamento, a primeira unidade da Yellow Self Storage apostou na localização como um facilitador, e escolheu o bairro Cidade Nova como base de sua primeira unidade. Enquanto a maioria dos empreendimentos desse segmento está sediada nos limites de Belo Horizonte, Fellipe e Igor identificaram que a centralização do negócio seria um grande trunfo. “Estamos em uma das regiões que mais crescem na cidade. São mais de 20 bairros no entorno e vários edifícios em construção, muitos deles com apartamentos compactos. Além disso, o comércio vibrante, impulsionado por alguns shoppings nos arredores, faz do local um ótimo ponto para o modelo de serviço que oferecemos”, explica. Somam-se, ainda, a proximidade com o Aeroporto da Pampulha e a rápida ligação com a Linha Verde, principal elo entre o Centro da capital e o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins.


Em sua sede, a Yellow dispõe de uma estrutura de 1.300m2 que abriga 200 boxes com até 20 tamanhos diferentes, variando entre 1m2 – apelidado de maleiro –, até 100m2. Para se ter ideia, um box de 5m2, ou seja, 20 vezes menor que o tamanho máximo oferecido, comporta todos os objetos desmontados de um apartamento de dois quartos. Segundo Fellipe, o processo para a locação desses espaços acontece de maneira simples e descomplicada, não possui cláusula de fidelidade e nem multa por cancelamento. “Entre a escolha do box apropriado e a assinatura do contrato, o cliente levará no máximo 10 minutos”, reforça.


O surgimento de empresas como a Yellow Self Storage contribui muito para uma mudança de comportamento do cidadão, que está cada vez mais ciente das suas oportunidades. Seja por situações adversas, como as trazidas pela pandemia, ou por perspectivas de ampliação, familiar ou empresarial, negócios desse segmento surgem como uma solução eficaz na vida das pessoas. Prova disso é a popularidade desse serviço em outros países. 

Tags:
  • sou bh
  • Yellow Self Storage
  • armazenamento
  • remoto
Comentários

Comentários